Esta disciplina aborda, entre outras questões, o impacte dos saberes técnico-científicos sobre a nossa maneira de representar e definir o que consideramos ser aspectos fundamentais da nossa identidade humana num mundo em ininterrupta e acelerada mutação. A construção de uma representação conceptual do mundo moderno – mediante a análise de reflexões ensaísticas bem como de obras artísticas e filosóficas representativas – constitui uma actividade crítica árdua mas fundamental porquanto nos permite mediar – como alunos (aprendizes perpétuos que somos) e cidadãos (intervenientes, portanto, num espaço público susceptível a múltiplas influências, ora mais, ora menos democratizantes) – o mundo das nossas relações sociais, os desafios lançados pelos saberes continuamente renovados pela investigação científica e pelas suas aplicações tecnológicas. Face a um mundo em contínua transformação, explorar-se-ão vários focos de questionamento entre os quais os seguintes: Como havemos de definir hoje em dia as fronteiras do humano que se encontram sob o impacte destas transformações?; como devemos encarar o impacte dos nossos actos (veiculados por uma racionalidade predominantemente instrumentalista) sobre a nossa vida em comum bem como sobre o planeta em geral e, consequentemente, com que critérios havemos de determinar as nossas responsabilidades como pessoas pensantes, como cidadãos intervenientes e como habitantes de um planeta crescentemente fragilizado pela nossa dominação dos processos naturais mediante tecnologias cada vez mais potentes?

A disciplina de Pensamento Contemporâneo visa abordar estas questões e outras afins mediante a análise de ensaios de reflexão sociológica e filosófica, obras de ficção, portais electrónicos, obras de divulgação científica e material de vídeo/filmes.

Este seminário explora as múltiplas estratégias patentes na apropriação simbólica da ciência e da tecnologia (teoria e aplicação bem como a percepção pública destas) pelas artes visuais e narrativas, arquitectónicas e urbanísticas, escultóricas e electrónicas. Numa travessia intensa da fronteira entre o saber narrativo e os conhecimentos empíricos, elaborar-se-á uma compreensão mais ampla destes actos de apropriação simbólica.

Sócio-Economia da Inovação 2012-13 2.º Semestre

Sociologia das Organizações 2012-13 2.º Semestre